Ao Relento

Cansei de tomar essa chuva gelada nos ombros
E a minha platéia está vazia
Totalmente no escuro, estou cercada de um mundo mudo
Dominado pela luz de apenas um poste na esquina e fumaça de cigarro de pessoas noturnas.
Totalmente diferente de olhos já olhados e razões perdidas no passado
Sentado aqui, num banco gelado de praça, eu não tenho mais nada pra fazer.
O que eu posso dizer?
Eu tenho medo de trovões desde a infância
E ainda assim eu caminho sem desviar o meu olhar de meus próprios pés ensopados em lamúrias de um relento solitário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s