Resenha: A Árvore dos Anjos – Lucinda Riley

Uma das minhas principais leituras esse mês foi A Árvore dos Anjos da autora Lucinda Riley. Me desafiei a lê-lo antes de qualquer outra leitura que eu poderia ter escolhido justamente por ser um livro de muitas páginas e devo admitir que o livro todo não era o que eu esperava. Não sei se por que esperava uma história menos complexa, mas não era aquilo que eu imaginava que fosse com base no título, na capa e na sinopse.

Devo ainda acrescentar que, nunca tinha lido antes um livro da Lucinda, então esse foi meu primeiro livro da autora. Não me julguem haha por não poder falar com muita profundidade sobre ela nessa resenha, então manterei meu foco no livro mesmo ❤
Não sei o que esperar de outros livros dela, mas sei que vai demorar um bom tempo para criar coragem de ler algo dela novamente.

a arvore dos anjos 01

Mas de qualquer forma, esse é um livro profundo, com muita descrição de tudo, que traz um pouco da aflição dos personagens para dentro de nós, conflitante por muitas coisas e em certos momentos incompreensível, pois esses personagens são tão humanos que às vezes não da pra entender 100% seus problemas, suas atitudes, mas nos faz questionar: até que ponto vai isso? E acho que esse foi o legal de toda a história. Vale ressaltar que, a escrita é muito inteligente, de uma forma que conseguiu atingir três gerações de garotas diferentes, e galere, não é qualquer autor que consegue essa proeza, principalmente da forma especial que autora fez, tornando tudo misterioso, difícil e, ainda assim, com uma história atraente.

Não vou mentir que passei raiva dos personagens a maior parte do livro, de Greta e Cheska principalmente, mas sobre tudo da Cheska. No começo essa personagem parecia um doce, um tanto injustiçada, e com problemas que qualquer adolescente enfrentaria, mas ao meu ver, e acho que ao ver de outros personagens também, ela ficou extremamente louca, a ponto de fazer muita besteira que coloca a vida de outros personagens em risco, então vemos que essa personagem é um tanto insana e o questionamento é: de onde vem isso? Eu me questionei diversas vezes sobre essa loucura dela que cresceu com ela desde a infância, tentando procurar pontos que explicassem o jeito dela. Claro que, ao mesmo tempo, senti uma admiração por ela (eu gosto de personagens meio fora do cabo mesmo, não se incomodem rsrsrs), mas não consegui chegar a nenhuma explicação e isso foi o que me incomodou muito na leitura, achei que faltou esse ponto final já que muita coisa foi resolvida na história, como a memória perdida de Greta que mudou todo o rumo de sua vida, assim como suas escolhas anteriores.

E um paralelo entre essas duas garotas, é que Cheska reproduziu o mesmo problema que sua mãe Greta, engravidando de um homem que sumiu, que não assumiu o filho, porém Cheska sendo mais desestabilizada abandonou sua filha Ava em Marchmont com David e LJ, partindo então para uma carreira de atriz nos Estados Unidos.

E, por falar em David, não gostei muito dele desde o início, um personagem muito presente na vida de Greta, aliás, por conta dele foi que ela conheceu o País de Gales, casou-se com o senhor Marchmont para que seus filhos tivessem um pai.
Achei ele um personagem que foi muito escravizado por um amor que não era correspondido, embora tivesse sido resolvido no final. Achei boçal a devoção dele à Greta, e por conta disso, passou anos cuidando dela e de sua família, mesmo após ter perdido a memória. Desculpa gente, mas eu não consigo gostar dele verdadeiramente, achei esse personagem muito forçado, embora essencial para o funcionamento da história e sei que, se as coisas no livro tivessem ocorrido com a mesma facilidade que a minha mente projeta o resolvimento de conflitos desses personagens, a história não caminharia de forma alguma. Mas não consigo deixar de pensar que se David fosse menos lerdo, ele mesmo poderia ter se casado com Greta em Marchmont, ao invés do tio dele.

Por fim, temos a Ava como desfecho da história, também não gostei muito dela de início, mas quando conheci o lado dela da história, o desfecho dela em Marchmont, eu comecei a amar essa personagem. Com um amor aos animais que chega a ser divino, pois a autora demonstra que desde a infância essa personagem sabe cuidar dos animais de forma que ninguém sem a competência de um estudo saberia. Então tenho muito admiração por ela, achei ela uma garota muito madura, que sabe o que quer, emponderada e com um jeito próprio diferente de Cheska ou Greta. Ressaltando que ela foi criada por LJ e David, então talvez esse seja o motivo de seu espírito ser tão livre, pois desde o início ela demonstra um amor por Marchmont que nenhum outro personagem além de LJ demonstrou, e ela realmente considera a sua mãe sendo a LJ, o que torna a história de Ava mais emocionante, linda e profunda.

Seja como for, fica aí minha recomendação de leitura, espero que vocês gostem e venham me falar o que acharam ❤

Ah, antes que me esqueça, deixo duas recomendações de músicas para ouvir enquanto lê A Árvore dos Anjos, são duas músicas que primeiro vieram na minha cabeça e depois as escutei durante quase toda a leitura, então espero que gostem também 😉

Boas leituras a todos!!!

Hugs and Kisses :*

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s