Resenha: A Casa Holandesa – Ann Patchett

resenha-a-casa-holandesa-ann-patchett

Olá! Como vão? Bem-vindos a junho! Começamos muito bem esse mês com a resenha de “A Casa Holandesa”, de Ann Patchett. Esse foi o livro de maio do clube Intrínsecos. Espero que aproveitem a leitura! Por favor, embarquem em nossa Locomotiva Literária:

Tudo começa quando, após a Segunda Guerra Mundial, Cyril Conroy entra no ramo imobiliário e, entre suas aquisições, está a Casa Holandesa. Uma verdadeira mansão, localizada no subúrbio da Filadélfia, que só pelo nome já demonstra sua extravagância. Mas nem tudo são flores, como pensava Cyril, pois a casa acaba se tornando um fardo para sua esposa e o declínio da família.

Danny, filho de Cyril, é quem conta a história. Ele e a irmã, Maeve, viveram por anos na casa, construída pelos VanHoebeeks, um casal que até hoje tem seus retratos na parede da casa. Os irmãos viveram, no início, com o pai e a mãe naquela casa. No entanto, o que era um fardo para a mãe e um troféu para o pai, se tornou um trunfo para a madrasta, Andrea.

Contada depois que Danny não mora mais na casa, ela ainda é destino dos irmãos, nem que seja para ficar parado em frente à casa, fumando, e observando enquanto relembram o passado. A história se movimenta bastante entre passado (todas as fases dele) e o presente, que como cenário serve apenas para relembrar a vida dos dois. Pois eles eram tudo o que tinham, no fim das contas.

Sendo uma história que se passa após o fim da Segunda Guerra Mundial, há a ambientação, as roupas, os costumes americanos daquela época, mas ainda assim a autora me pareceu que luta contra a “força” de contar uma história do século 20 no século 21. Ao ler, nem sempre me peguei viajando com eles. A autora não conseguiu me inserir totalmente no contexto que ela conta.

Ainda assim, é uma narrativa ágil e instigante. Sei que comecei a leitura e, de repente, já se passaram 100 páginas. Essa sensação, ao mesmo tempo que nostálgica, pois quer dizer que estamos mais próximos do fim da história, mostra como ela é gostosa de ler. Não tem necessariamente um clímax, mas há momentos que a tornaram mais interessante, que dão uma velocidade para ela.

Danny, enquanto narrador, não revela muito de si por vontade própria, mas ele o faz ao contar sobre a irmã, e as outras pessoas que estão envolvidas na história e, principalmente, na Casa Holandesa. E sua forma de falar sobre Maeve transformou ela em minha personagem preferida. Ela é uma pessoa difícil de descrever, mas ao mesmo tempo muito “amável”. Eu me identifiquei muito com ela, talvez por ser a percepção do irmão dela sobre ela.

Aliás, a relação dos dois é algo muito bonito, e que me conquistou. Me fez lembrar muito da minha relação com minha irmã. Essa relação entre irmãos sempre foi algo que pouco li sobre, mas que sempre admirei e me encantei. Nesse livro, essa relação parece ser o ponto principal da obra, ainda que tudo envolva a Casa Holandesa – daí a importância dela na história também. A casa, de certa forma, os moldou, pois tudo o que foi acontecendo na vida dos dois teve alguma relação com a casa.

Quanto aos personagens, além de Danny e Maeve, devo dizer que todos são intrigantes, de alguma maneira. O pai deles, por exemplo. Eu tinha uma visão diferente dele no início da obra e ao passo que Danny vai contando, Cyril se tornou mais “humano”, na minha percepção, mesmo sendo um cara mais introvertido.

Mas acho que as personagens mais humanas são aquelas que trabalhavam na casa durante a infância e adolescência dos dois: Sandy e Jocelyn, e até mesmo Fiona, a Fofinha. Me diverti muito com as duas primeira, o jeito materno e cuidador das duas realmente me conquistou. E Fiona, isso aconteceu mais pra frente durante a narrativa, quando Danny realmente a introduz à história.

Já a mãe deles, Elna, é a personagem mais intrigante dessa lista. Como é Danny quem conta sobre ela, creio que deve ser de senso comum que de início quase que odiamos ela. Porque eu vejo Elna como a chave de tudo, uma vez que a Casa era um fardo para ela e, a partir isso, as coisas foram desmoronando. E depois, essa visão muda um pouco, quando o próprio Danny vai descobrindo mais sobre a mãe e nos contando.

Esse é um ponto interessante explorado pela autora, tanto a relação mãe-filhos como madrasta-filhos. Elna é a mãe que foi embora e Andrea foi a “substituta”. Nesse caso, a autora incorpora aquilo que sempre ouvimos de madrastas, como sendo más. Acontece que a mãe não era a melhor pessoa, ao abandoná-los – ainda que tenha seus motivos. O que eu quero dizer é que ao explorar essas duas relações, Ann Patchett dá vida a muitas histórias – claro que uma pitada extra de drama – de famílias que não são tão bem estruturadas.

Por fim, acho que os personagens, inclusive a Casa Holandesa, são o ponto alto da obra. Todos representam essa incansável busca para superar o passado, sobre as relações entre pais e filhos e irmãos. E, principalmente, pelas escolhas que fazemos ao longo da vida e que nos levam ao que somos hoje. A casa, de certa forma, moldou quem Danny e Maeve se tornaram, mas foram as escolhas de ambos que completaram essa transição para a vida adulta.

E é isso. Eu não conhecia a escrita de Ann Patchett e realmente gostei muito da experiência, dessa viagem entre as lembranças de uma família tão complexa como os Conroy. Certamente lerei outros de seus livros. Espero que tenham gostado dessa resenha e aproveitem a leitura tanto quanto eu. Até a próxima!

Ficha técnica:

A Casa Holandesa

Autora: Ann Patchett

Editora: Intrínsecos/Intrínseca

Ano: 2020

345 páginas

Locomotiva Literária

Douglas Oliveira View All →

Jornalista, leitor voraz e apaixonado por música.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: